Cometa recém-descoberto aproxima-se do Sol

"Linear" atinge o periélio em 26 de julho e poderá ser observado da Terra.


O cometa Linear tem 5,5 de magnitude

Um cometa recém-descoberto está se aproximando do Sol e em breve poderá ser visto da Terra. Trata-se do Linear, que alcançará em 26 de julho a menor distância em relação ao Sol, chamada "periélio": nesse dia, ele estará a 114 milhões de quilômetros do astro-rei e a 56 milhões de quilômetros da Terra. O Linear foi descoberto em setembro de 1999 pelo Lincoln Laboratory Near Earth Asteroid Research, um projeto de pesquisa que utiliza um telescópio para catalogar asteróides que passam muito próximos à Terra. Seu nome é formado pelas iniciais do projeto.

A expectativa entre os astrônomos é que o cometa apresente um brilho intenso. A camada superior do Linear, como a de todos os cometas, é formada por pedaços de gelo e partículas sólidas. Ao se aproximar do Sol, o gelo sublima (passa do estado sólido direto para o gasoso), formando a cauda do cometa. No caso do Linear, que os astrônomos acreditam nunca ter passado perto do Sol, a tendência é que o brilho seja mais intenso, pois a camada de gelo está intacta.

A observação do Linear será melhor no Hemisfério Norte, pois o cometa está seguindo em direção ao sul. Ele poderá apresentar um brilho maior, podendo ser visto durante toda a noite, e estará mais alto em relação à linha do horizonte. No Brasil, a observação do Linear será melhor no final de julho e no início de agosto, logo após o pôr-do-sol, segundo informou Luiz Augusto da Silva, professor de física e astronomia do Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Para ver o cometa, será preciso utilizar pelo menos um binóculo. O cometa estará saindo da constelação de Leão e entrando na de Virgem.


Acompanhe no mapa do céu a posição do cometa em função da data

Luiz Augusto da Silva vê com cautela a expectativa em torno do suposto brilho espetacular que o Linear possa apresentar, seja no Hemisfério Norte ou no Brasil. "O Linear é da mesma categoria do cometa Kohoutek, que passou na década de 1970. Dizia-se que o cometa teria brilho semelhante ao da Lua cheia, mas foi um fiasco". Silva lembra que o Linear apresenta magnitude de 5,5. Para se ter uma idéia, a estrela mais fraca em magnitude que pode ser observada sem telescópio tem magnitude 6. Além disso, estrelas são fontes puntiformes, enquanto o brilho do cometa é mais difuso e aparenta ser mais fraco do que é na realidade.

Acredita-se que a órbita do Linear seja elíptica com alta excentricidade. Como ele deve levar dezenas de milhares de anos para completar sua revolução em torno do Sol, ele é considerado um cometa de longo período. Os cometas de longo período, cuja duração da órbita é superior a 200 anos, são formados na nuvem de Oort.


Mara Figueira
Ciência Hoje/RJ
25/07/2000

 

         VOLTAR